quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Deixa...eu fecho a porta.

Pronto tranquei, agora você não pode fugir. A festa vai começar. Me olha assustado, meio confuso. Calo sua boca com um beijo, me segura pelos braços querendo impedir que eu cometa um desatino, consigo me desvenciliar e de súbito abro os botões da minha blusa um a um. Você observa paralisado, atónito...Eu me divirto vendo seus olhos brilharem ao ver meus seios pulsando de desejo por seus beijos. Vou tirando cada peça bem devagar, como um stripper em câmera lenta. Percebo que seus desejos aumentam mais e mais e brinco com minhas mãos em seu corpo. Já não resiste, me entrega seu corpo sem resistência, sabendo das consequências...Isso tudo não nos importa, já aguentamos demais.
Nosso prazer é infinito,  nossos corpos são pura volúpia, delírios de amor...
Me entrego a seus desejos e você deixa acontecer.

domingo, 22 de agosto de 2010

sábado, 14 de agosto de 2010

Primavera, Verão, Outono e Inverno

Quantas vezes ao me levantar, questionei-me o porquê de tanto sofrimento na minha vida e no mundo?
Engraçado, não é mesmo? Se sorrir e ser feliz é tão simples, fácil e barato. A angústia de dias e noites inteiras buscando a causa para as mais terríveis demonstrações de raiva e rancor. Falta-nos em cada um de nós um pouquinho de amor, somente uma gota já fará toda a diferença. Olharei meu semelhante com carinho, a cisma não escurecerá meus olhos. Rogo ao Criador, seja ele quem for, me dê a oportunidade de amar mais, acreditar no meu irmão, crêr nos direitos de cada indivíduo, respeitar as crenças...
Que cada decisão seja aceita por mim e pelos outros.
E que possa ter o direito de amar a vida com a mais pura ternura sem que pra isso me ponham adjetivos pejorativos.
Eu tenho um compromisso comigo mesma; ser feliz e nada mais.
Tudo nessa vida passa, a dor, o sofrimento, a mágoa, perdoe primeiramente e seja feliz.
Ninguém é perfeito...somos apenas iguais...temos um coração pulsante...o sangue jorra e a vida se perpetua...

terça-feira, 3 de agosto de 2010

120…150… 200 Km por hora Leonardo



As coisas estão passando mais depressa O ponteiro marca 120
O tempo diminui
As árvores passam como vultos
A vida passa, o tempo passa
Estou a 130
As imagens se confundem
Estou fugindo de mim mesmo
Fugindo do passado, do meu mundo assombrado
De tristeza, de incerteza
Estou a 140
Fugindo de você
Eu vou voando pela vida sem querer chegar
Nada vai mudar meu rumo nem me fazer voltar
Vivo, fugindo, sem destino algum
Sigo caminhos que me levam a lugar nenhum


O ponteiro marca 150
Tudo passa ainda mais depressa
O amor, a felicidade
O vento afasta uma lágrima
Que começa a rolar no meu rosto
Estou a 160
Vou acender os faróis, já é noite
Agora são as luzes que passam por mim
Sinto um vazio imenso
Estou só na escuridão
A 180
Estou fugindo de você


Eu vou sem saber pra onde nem quando vou parar
Não, não deixo marcas no caminho pra não saber voltar
Às vezes sinto que o mundo se esqueceu de mim


Não, não sei por quanto tempo ainda eu vou viver assim


O ponteiro agora marca 190
Por um momento tive a sensação
De ver você a meu lado
O banco está vazio
Estou só a 200 por hora
Vou parar de pensar em você
Pra prestar atenção na estrada


Vou sem saber pra onde nem quando vou parar
Não, não deixo marcas no caminho pra não saber voltar
Às vezes, às vezes sinto que o mundo se esqueceu de mim
Não, não sei por quanto tempo ainda eu vou viver assim


Eu vou, vou voando pela vida
Sem querer chegar