sábado, 30 de abril de 2016

Uma linda florzinha desabrocha em seu jardim!


Árvores nunca deveriam morrer... 
Elas são abrigo, consolo e alimento, são feito as mães, supremas!



" Amanhã é festa"

Me mandem flores, pois amanhã faço 45...
É com orgulho que digo, a minha idade diz tudo sobre mim.
As minhas conquistas, meus desafios superados e também minhas inúmeras perdas e erros. Mas isso não vem ao caso agora. 
O importante é que eu cheguei até aqui, inteira dos pés à cabeça e isso é uma vitória. 
Quem me conhece sabe que sou uma mulher alegre e de sorriso largo. 
Minhas tristezas guardo comigo e não transmito aos outros minhas decepções. Prefiro sorrir, cantar e iluminar...
Ser a Eugenia é ser leve, graciosa, boa e muito sorridente. 
Sou tudo isso e um pouco mais. 
Entrei e estou passando pelos "enta" muito bem e feliz por poder comemorar mais um ano de vida.
Parabéns pra mim!


A humildade sempre será a base para minha vida. 
E continuará sendo sempre.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Não morra nunca meu amor, me prometa...
Pelo menos não antes de mim, eu te peço.

Porque eu te amo tanto, que às vezes chego sufocar
Preciso dizer, você tem que saber.

Para mim nunca haverá despedida, pois somos um!


quinta-feira, 28 de abril de 2016

Onde fica essa tão bela árvore?
Mais se parece com uma pintura!
Seus olhos conseguiram capturar o seu espírito. 
Em suas andanças tem visto muitas coisas bonitas, te invejo.
A vida é tão curta e os sonhos são tão grandiosos.
Eu gostaria que às vezes o tempo fosse mais devagar e bem lentamente me desse entre um intervalo e outro pequenas fracções de horas. Preciosas, que me fizessem  parar de brincar de Deus.
Acho que essa é a mágica da vida, haver pouco tempo. Assim posso cometer todos os erros passíveis e cabíveis e logo após tentar consertá-los ou não, dependendo do grau na minha escala moral.
Sabe, eu até pouco tempo não ligava, pra mim viver e morrer não faziam sentido. Pois eu vivo intensamento cada minuto do meu dia. E se esse dia viesse a ser o último eu seria grata por isso. 
Agora, ah!  Eu quero mais é viver...
É isso, vou lutar pela minha felicidade!

Eu sei que está passando.
Se precisar pode contar comigo, sempre.

O básico é o mais importante sempre, nunca me esqueço.
A simplicidade é a base da boa convivência.
A humildade é o começo de tudo!



Faleceu Duilio "Galli Grande Artista Plástico"





LUTO: morre Duilio Galli aos 85 anos de idade



Ibitinga amanhece com uma das maiores perdas de personalidade artística da história da cidade. Faleceu no fim da noite desta quarta-feira (27) Duílio Galli, artista plástico e escritor que estava em seus 85 anos de idade. Duílio lutava contra um câncer no pulmão. A notícia foi confirmada por familiares.
"Um gênio na arte, viveu além de seu tempo. Deixou a sua marca, fez a diferença. Sua obra viverá para sempre. O pensamento e as ideias não morrem, transcendem o criador", disse Áurea Galli, filha do artista.
Recentemente, Duílio prestava serviços como repórter cultural para a TV Cidade e Portal Ternura, onde mostrava - em vídeo - curiosidades, história e atualidades da cidade onde ele passou a vida. Além da família, deixa um patrimônio de acervo em obras e publicações de valor inestimável para a cultura ibitinguense (confira algumas no rodapé da página).
O velório é feito na sede da Maçonaria Estrela de Ibitinga, na Rua José Custódio. O enterro está marcado para às 16:30 h.
História
Duilio Juliel Galli. Apesar do sobrenome italiano, é “Caipira da Gema”. Nasceu em 16 de setembro de 1930, em São Carlos, S. Paulo, mas passou toda a sua infância em Ibitinga. Foi aluno de Tarsila do Amaral, com quem conviveu e aprendeu e se enriqueceu culturalmente e a partir daí sim, envolvido pelos bons conselhos da mestra, entrou de cabeça no mundo das artes plásticas, abandonando a carreira de contabilista, para viver esta aventura que vai deste universo colorido das imagens de santos e grávidas ao branco e preto dos retirantes e profetas, que compõe o seu mundo interior.
Possui três livros editados onde conta suas andanças pelo mundo, e suas poesias premiadas em vários concursos. 
Em 1977 participou da Bienal Internacional de São Paulo, selecionado entre artistas do mundo inteiro, fez mais de 200 exposições entre coletivas e individuais pelo mundo todo, sempre recebendo prêmios, de medalhas de ouro a menções honrosas.
Andou pelo mundo, com uma mochila nas costas, pouco dinheiro no bolso e seus quadros embaixo do braço, vendendo, expondo e enriquecendo seu repertório artístico através das artes dos grandes mestres. Fundou junto com outros artistas o encontro semanal da arte na Praça da República em São Paulo que até hoje acontece com grande sucesso.
Foi um dos precursores das idéias ecologistas, junto com outros artistas, fundam o “Arte e Pensamento Ecológico”, grupo que surge no auge da ditadura, como movimento pioneiro de conscientização do povo brasileiro. 
Em 1974 recebe o reconhecimento da cidade de Ibitinga que o adotou como filho, titulando-o como “Cidadão Ibitinguense”.
Possui duas Vias Sacras entronizadas nas Igrejas Matriz de Ibitinga e Bom Jesus dos Milagres em Limeira.
Ativo, continua produzindo e expondo pelo interior de São Paulo e no exterior e paralelamente trabalha no site da rádio Ternura de Ibitinga, como vídeo repórter, produzindo imagens e vídeos culturais e ecológicos.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

De onde vieram os querubins?

Depois que as luzes se apagam, meus pensamentos criam asas na escuridão das noites. Sozinha, devaneio entre as horas perdidas, o sono demora chegar. Nesse tempo decifro esse enigma que é viver. Não me bastam os conhecimentos que adquiri, preciso respostas reais e concretas de tudo que me foi ensinado por décadas. Porque esse mundo que aprendi a ver, talvez nunca tinha existido e de certo foi inventado. Amo história antiga e o pouco que sei, pode ser na grande maioria pura invencionice. 
Tão absolutamente quieto, submerso em si.





Perda de dados histéricos

Oque fazer quando tudo em que se acreditava não existe?
Meus princípios básicos no qual me formei e moldei  meu caráter está se perdendo a medida que envelheço.
O que será feito dos valores, cairão em desuso feito velhos chips de celulares?
Precisarei me formatar e inserir novos programas e aplicativos.
Mas como?
Não sou uma máquina, ou será que sou?
Haverá uma forma de saber?
Se desde de pequena fui condicionada à obedecer sempre sem questionar.
Ultrapassada, procuro um equilíbrio racional para tudo, mas até quando?
Tenho medo... Não há como mudar sem haver danos, por mínimos que seja.
No meu caso, não sei. Temo que para haver um bom desempenho da minha máquina tecnológica terei que abrir mão de velhos hábitos e adquirir novos conceitos e formas de amar.

terça-feira, 26 de abril de 2016

 
Uma criança é simples, ingênua e pura. 
Somos nós que as corrompemos. 


Dançar na chuva deve ser uma louca aventura.

As chuvas enfim vieram, trazendo consigo um friozinho bom.
Gosto do cheiro de terra molhada e ver o céu translúcido, de um azul intenso e o arco-íris no final para emoldurar todo cenário atípico.
Que venham as chuvas, colorir de verde o que antes era pasto queimado.


Carinho é bom em qualquer idade.
Quem é que não gosta e não um carinho de vez em quando? 
Acho que todo mundo gosta e quer.


Dizem que as crianças e os bêbados não mentem. 
Gostaria de saber o que eles acham a meu respeito, admiro a sinceridade delas. 
Acho que a maioria gosta do meu jeito, por causa desse meu jeito meio infantil e sorridente talvez.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Aqui jaz! Boa mãe e avó valorosa...

Preciso me sepultar, me livrar desse corpo limitado que não me permite voar.

Hoje é um bom dia para morrer.
Morrer para velhos hábitos e atitudes e não começar, mas literalmente nascer de novo.

Hoje é segunda e não estou bem, isso é raro, gosto do começo da semana. 
Mas hoje não, definitivamente hoje não está sendo um bom dia. 
Muitas decisões precisam ser tomadas e eu não gosto de pressão, gosto de fazer tudo no meu tempo.
Hoje poderia ser sexta feira, não é meu costume, mais eu compraria umas cervejas e ficaria de pileque e pronto, trocaria os problemas pela dor de cabeça e a ressaca.
Bem, chega de escrever, porque hoje é segunda feira...

Faz tempo que não chove, podia chover um pouco hoje. 
Esse tempo quente e seco, que parece cozinhar a gente aos poucos.
Se as chuvas viessem depois de poucos dias todos esses campos que estão secos se tornariam verdes e pastáveis novamente. 
As queimadas são muitas, todos nós sofremos por isso. 
Os bichos então, imaginem.


domingo, 24 de abril de 2016

 É apenas um lenço rosa de bolinhas brancas. 
Apenas isso e nada mais.
Como algumas coisas que pouco ou quase nada acrescentam.
Poderia ser mais ou menos, dependendo da ocasião.
Não! Acho que é somente um lenço e nada mais.
São assim os sentimentos, ter ou não é questão de habito. Os lenços também!
Se tem costume de usar e fácil expressar...

sábado, 23 de abril de 2016

O brilho intenso  da Lua Clara  que me banha com sua imensa embriagues.
Eu quero ser a sua luz, o símbolo eterno dos amantes e a inspiração dos grandes e eternos poetas.
Cantarei em sua homenagem em minhas quentes e longas noites de inspiração.

A Quimera da Lua



Prometem sonhos embrulhados em papel timbrado, casa, caros, tudo fácil, possível, permanente.
Basta cumprir as regras, fazer um jogo limpo, e é tudo seguro, aprazível, bons empregos, boas taxas de juros, em créditos facilitados à habitação, seguros e rentáveis investimentos, tudo à mão de semear, basta sonhar e investir, fazer mais um crédito e temos a lua a um preço faseado, possível de pagar ao longo dos anos, no esforço da nossa ambição e dos nossos desejos, e mais alguns créditos concedidos, na ganancia que nos iremos matar de alguma forma, para alcançar a tão almejada lua.
Apenas a lua se esqueceu de nós e de nossa ganancia e de nossos sonhos. Talvez pelo facto de termos perdido ou vendido a identidade, deixando de ser genuínos, humanos, criativos, passando a ser coisas, maquinas, organizações. A lua Esconde se e da se o eclipse lunar. E tudo aquilo que se prometia se eclipsa juntamente com ela, empregos, casas, segurança e sonhos. 

Aladin Van-Dúnem
Hoje é o dia!
Dia de tentar ser melhor que ontem, de fazer o que se tem vontade.
Não espere que o melhor venha amanhã, não ponha sua felicidade nas opiniões de outras pessoas.
Faça sua vida valer para você, sorria mais, brinde suas conquistas, aceite as derrotas e aprenda com elas.
Enfim, invista em sua plenitude agora, o que não tem hoje ainda não existe e se não é concreto não vale nada. Então siga em frente com o que tem consciência que és realmente pertencente ao teu mundo. 
Olhe ao redor, há tantas oportunidades, várias escolhas e tão pouco tempo...
Vamos lá, viver é mais importante. 
Faça o que se gosta e não espere nada acontecer, com certeza encontrará outros em igual sintonia. 



 

sexta-feira, 22 de abril de 2016

...nem é tão ruim assim!

O futuro não se pode prever.
Sinceramente nem quero, eu acho que os quarenta anos é a fase do tanto faz.
Essa é a fase em que os amores se solidificaram, as ilusões se perderam e o que se havia para conquistar, já se conquistou.
Essa é a fase em que tudo é brando ao contrario da juventude em que se arde e queima. 
Já ebuli, virei fumaça no tempo em que não resolvi minhas questões. 
Agora quero observar as paisagens com calma, fazer amor de qualidade e não por quantidade, rir de coisas que não consegui fazer e não lastimar pelas que perdi. 
Essa fase que me obriga aceitar que sou incapaz de inúmeros feitos, que outros dependem de mim e mesmo assim ainda procuro manter a minha individualidade momentânea. 
Eu aprecio as minhas horas vagas à tarde no qual me dedico. 
São raros minutos em que posso ser "eu" realmente. 
Procuro viver alheia ao resto do planeta, sinceramente me preocupo, mas quase nada posso fazer. Então me recolho ao meu tanto faz que já faz parte da minha quase total inércia. 
Como já disse  a fase do tanto faz não é tão ruim, não se é jovem nem velho, vivo nem morto, rico e nem pobre, afortunado ou desgraçado, feliz ou infeliz...
Simplesmente um alguém no meio de milhões de tanto fases.
Um utópico Chaplin!

                                  Eugenia
Eu sou um enigma à ser desvendado.
Ninguém imagina os segredos que meu sorriso esconde e a ternura que meu olhar revela.

Um beijo terno...
Me beijou com toda a inocência de uma vida sábia, num gesto natural e singelo.
Eu não esperava que alguém de tamanha fragilidade e sofrência haveria de ter tamanha gentileza.
Foi assim, nessa noite tranquila de sexta que conheci um cavalheiro...
Ele não tinha cavalo branco, não vestia linho, sem brasão ou doutorado e no entanto sua alma era tão valiosa quanto a um diamante, satisfação em conhecê-lo, foi um imenso prazer "Senhor Desconhecido" pois ao longo da conversa ou por falta de etiqueta, me esqueci de perguntar seu nome. 
É assim que descrevo a primeira vez que me senti uma rainha, "coroada" porque esse incrível homem beijou-me a mão.
Foram poucos minutos de boa conversa, uma rica troca de experiência para ambos.
E que com certeza não se vê isso todos os dias, gentilezas são raras.
                                                                                                                                                                                                                                                              Boa noite!

quinta-feira, 21 de abril de 2016

A eternizei, linda em todo seu esplendor.
Morreu, foi murchando aos poucos.
Tentei de tudo para salvar a Beijinho do Sul.
Agora só restam suas raízes que ainda rego na esperança que brote novamente.

A verdade absoluta dói, por isso às vezes mentimos, por pura necessidade.
Quando um homem não tem coragem de tomar em seus braços a mulher que ama, sinto muito, mas realmente ele já está morto.
Você está e nem percebeu...
Pelo menos agora não precisa falar mais nada, não haverá ninguém para ouvir!



quarta-feira, 20 de abril de 2016

Tardinha

Acabei de chegar. Nossa já havia me esquecido como é lindo ver a Lua despontar no leste. 
Hoje a estrada estava bem congestionada, por causa do feriado de amanhã com certeza. 
Pude ver um bando de garças brancas, além do rebanho pastando bem pertinho, só senti falta dos pequenos tucanos que ali se abrigam nas grandes árvores próximas as estradas. 
Gosto muito de vê-los voando, batem três vezes as asinhas e planam, três vezes e planam, acho o máximo. Além de caminhar ao ar livre, o que é muito gostoso.





Chegará o dia em que haverá várias estradas para seguir e eu determinarei qual o melhor caminho.


terça-feira, 19 de abril de 2016

Se esse é o patinho feio eu quero ser um também.



Se há algo mais bonito que isso, eu ainda desconheço.
Como pode haver tamanha beleza e diversidade de cores...


Eu acredito em Deus como uma energia boa que emana das pessoas de bom coração.
Em igrejas não, nunca. 
Todos nós somos santos, basta praticarmos o bem.
Ontem eu ganhei uma roseira, o floricultor me presenteou. 
Fiquei tão feliz...
Agora posso dizer: Eu já ganhei flores!


Bela vista essa. Parece sair de um conto de fadas das histórias infantis. 
Confesso que a única história da infância no qual eu acreditava era no Patinho Feio, me identificava com ele. Hoje evito contá-las a minha neta, invento algumas mais realistas. Assim introduzo a rotina real em seu aprendizado. 


Qual a finalidade do fim?
É simplesmente tomar consciência que tudo tem seu tempo, há o play, o pause e  off game.
Se nesses três tempos não se aproveita todas as jogadas, corre-se o risco de não atingir os pontos e o tempo se esgotar. 
A vida é assim, gostemos ou não é um jogo, infelizmente.


Eu não vou me juntar aqueles que morrem tentando chegar a outra margem.
Ficarei sentada aqui, aos pés do barranco só observando, os que conseguem e os que se afogam.
Quanto a mim cabe contar a história de ambos, já está de bom tamanho.




Uma sensação de liberdade sem igual. 
Caminhar me trás a tranquilidade que preciso. 
Respiro tão fundo que até consigo ouvir meus batimentos, relaxo e me acalmo vendo os bichos ao redor.
Caminhando eu reflito, medito e me nutro de energia.




É preciso haver honra, sem ela não há valor algum.
Paz, Justiça e Liberdade!
Por um país melhor...

segunda-feira, 18 de abril de 2016

O RIO E O OCEANO (Osho)



Diz-se que, mesmo antes de um rio cair no oceano ele treme
de medo.
Olha para trás, para toda a jornada,os cumes, as montanhas,
o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos
povoados, e vê à sua frente um oceano tão vasto que entrar
nele nada mais é do que desaparecer para sempre.
Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar.
Ninguém pode voltar.Voltar é impossível na existência. Você
pode apenas ir em frente.
O rio precisa se arriscar e entrar no oceano.
E somente quando ele entra no oceano é que o medo
desaparece.
Porque apenas então o rio saberá que não se trata de
desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano.
Por um lado é desaparecimento e por outro lado é
renascimento.
Assim somos nós.
Só podemos ir em frente e arriscar.
Coragem !! Avance firme e torne-se Oceano!!!

domingo, 17 de abril de 2016

Que venham os bons dias, o amor e um futuro!
O passado não importa mais, agora é daqui em diante...
Fazer planos e construir uma outra realidade.

Um passo atrás do outro,
Um dia de cada vez,
Uma semana, um mês, um ano...
Assim devagar e com prudência!

sexta-feira, 15 de abril de 2016

quinta-feira, 14 de abril de 2016

segunda-feira, 11 de abril de 2016

domingo, 10 de abril de 2016

As onças pardas estão cada dia mais dando as caras pela região, que ótimo!
Agora o Ibama terá que garantir por lei uma reserva  exclusivamente para elas. 
A faina agradece e ganha outra vez.
O desmatamento trouxe perdas, agora precisamos preservar se quisermos manter a humanidade como um todo.
Viva as onças e a diversidade de bichos em geral.

Gostaria de doar meus órgãos, se ainda estiverem bons para se reaproveitar.
Eu não bebo nem socialmente, mas doces, confesso ser a minha fraqueza.
Eita mundo bão!
Mai bão mermo. 
Hoje acordei cedinho e fiz tudo o que precisava. A sensação de dever cumprido é o melhor que há.
Bão restinho de dia pra todos!

As palavras são sim importantes.
Entretanto são as atitudes que realmente demonstram quanto valor há em você para alguém.

Me faltam as palavras para descrever o quão é go stoso cultivar as flores.