quarta-feira, 5 de abril de 2017


Do que se passou já, pois tudo passa.
Senão de entristecer-se e magoar-se?
Se noutro corpo como alma se transpassa,
Não como quis Pitágoras, na morte
Mas como quer Amor, na vida escassa;
E se esse Amor no mundo está de sorte
Que na virtude só dum lindo objecto
Tem um corpo, sem alma, vivo e forte;
Onde este objecto falta, que é defecto
Tamanho para vida que já nela
Me chamando à pena a dura Alecto
Por que não criara a minha estrela...

Nenhum comentário:

...luto pelo que acredito, quando deixar de crer, morrerei.