quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A menina da cestinha de flores

  Eu conheci uma menina que todos os dias logo cedinho fazia suas obrigações diárias e saia com sua cestinha de flores à mão, sorrindo e ofertando a quem quisesse contemplar uma flor.
Alguns passavam reto, sem sequer perceber a moça sorridente ao seu lado. Outros de longe a viam, estendiam as mãos , pegavam as rosas e cheiravam sem pressa. Depois agradeciam e seguiam seus caminhos. E a cada lugar que passava ela ofertava uma florzinha. Uns recebiam com um sorriso e assim que a moça virava as costas jogava a singela flor ao lixo, outros nem ao menos atendiam à porta. A grande maioria dizia que não tinham tempo pra essas frescuras e que as flores não tinham utilidade alguma. As mocinhas apaixonadas pensavam que eram dadas pelos seus namoradinhos, as mães imaginavam ser de seus filhos e os doentes supunham ser de despedidas.
Quase ninguém pensou que aquelas flores simbolizavam a sinceridade e que eram dadas com todo amor e carinho. E assim foi por um longo tempo, até que as flores acabaram, sobrando apenas uma que ela guardou para si. Esperando que um dia se viesse a precisar era só apanhar aquela tão preciosa flor em suas mãos, sabendo que era muito especial.
Hoje já cansada restou-lhe apenas seu sorriso e este nunca acaba e nem lhe abandona, apesar de todas as dificuldades ela permanece aqui acreditando que sempre haverá pessoas feito ela que acreditam na sinceridade interior das pessoas.
Eu sei desta história porque essa moça era eu, as flores na verdade era a minha amizade e aquela cestinha era o meu coração...

Nenhum comentário: