quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Clarice Lispector

Todas as manhãs ela deixa os sonhos na cama, acorda e põe sua roupa de viver. 
Todas as manhãs ela caminha vagarosamente para pegar o ônibus que a levará para lugar nenhum, para ver ninguém 
E todas as manhãs ela imagina como serão as tardes, já sabendo a resposta, finge ser feliz assim todas as manhãs 
E todas as manhãs ela espera pela noite, ela espera assim arduamente para voltar para seu quarto, e ser triste. 
É quando ela sente que esta assim completa. 
Completamente triste, mas completa. 
E quando ela tira a roupa e põe todo o seu corpo em baixo das cobertas quentes e sente que começa a sonhar, é quando ela sorri . 
Assim pra ninguém. 
Mas pra ela mesma. 
E viver vale a pena."

Nenhum comentário:

...luto pelo que acredito, quando deixar de crer, morrerei.