quarta-feira, 9 de novembro de 2016

"Dizem que os olhos são as janelas da alma...
Verdade, eu não tenho sido a pessoa que desejo ser.
A doce mulher que sorri e colhe flores no campo, não me deixam ser. Porque tenho que resolver as maldades do mundo".

Algumas situações não precisam de palavras.
Essa é a vista que tenho da minha janela.
Eu queria paredes claras, canteiros de flores, uma visão alegre ao acordar.
Me imagino forte, no entanto meus sonhos com precipícios dizem o contrario.
Eu saio e vou à procura do que é belo, porque não encontro dentro da minha própria casa. 
Aqui só há solidão, raiva e ressentimentos.
Um ser humano normal não suporta tanto sofrer por tão longo tempo.
Eu suportei, estou aqui e se para aguentar toda  essa escravidão moderna eu tenha que fugir para as matas como meus antepassados fizeram. Eu irei quantas vezes for necessário.

"Preciso acreditar que em algum lugar existe liberdade".

P.s: Essa postagem não será excluída como as demais, a liberdade de expressão começa aqui.


Nenhum comentário:

...luto pelo que acredito, quando deixar de crer, morrerei.