sábado, 26 de novembro de 2016

Vi lá de cima do moro, via tudo a minha volta.
Todas aquelas ondas enormes tão azuis que de olhar a felicidade me despertava.
Os ventos entrando pelos cachos dos meus cabelos e uma leve brisa de maresia me beijando a face.
Lá não havia pesar, eu podia ver as gaivotas branquinhas voando baixinho...




Nenhum comentário:

...luto pelo que acredito, quando deixar de crer, morrerei.