quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Inversos

Dizem que a esperança é a última que morre,
Mas ela morre sim... De uma forma  ou de outra!
As pessoas fazem com que isso aconteça.
Nossos atos nos traem.

Quando não fazemos o que nossos corações nos pedem, já estamos mortos de alguma forma.

Morremos um pouco por dia, todos os dias.
Até o fim. 

É triste, sonhei um futuro lindo, um lar, filhos... Tudo ao vento, infelizmente, assim, simples assim... Mortal assim!


Quando o sol ia acabando e as águas mal se moviam, 
tudo que era meu chorava da mesma melancolia. 
Outras lágrimas nasceram com o nascimento do dia: 
só de noite esteve seco meu rosto sem alegria. 
(Talvez o sol que acabara e as águas que se perdiam,
 transportassem minha sombra para a sua companhia...) 
Oh! mas nem no sol nem nas águas os teus olhos a veriam...
 — que andam longe, irmãos da lua, muito clara e muito fria...       

Cecília Meireles in 'Viagem'

Nenhum comentário: