sexta-feira, 29 de julho de 2016

Já vi a morte de passarinho, de amigos e amores...
Nunca vi foi a morte da alegria,
Essa sim, sempre volta
Em alguma hora, dia, mês ou ano.
Sempre há de voltar!
Em qualquer lugar e de súbita, forma.


Nenhum comentário: