terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Sou da terra e vivo e respiro por ela "Natureza"



"Eu sinto o Outro, eu danço o Outro, então eu sou." Léopold Sedar Senghor
Negro antes de ver sente. É sensibilidade, emoção e intuição. 

Não podemos negar essa verdade, " Somos os condenados dessa terra." Enquanto não nos assumirmos como realmente somos, negros de fato.
Somos intuitivos por participação, emotivos e simbióticos por nascimento.
Me atrevo a dizer que a filosofia libertadora de Edward Bliden, Léopold Sedar Senghor, Frantz Fanon e Ébénézer Njoh-Mouelle, me fez reaver o sentido da luta pela igualdade de direitos dos nossos costumes e tradições como um povo em seu geral "excluídos em grande parte da história na literatura mundial.

Foi pesquisando um nome "Heidegger" que até aqui me trouxe. A minha curiosidade e um anseio antigo que me constrange todas as vezes que ainda me incomodo ao ver uma negra com um avental e uma vassoura nas mãos. 
Todo o trabalho é digno de respeito, o que me entristece é saber que "a nós"


os negros ainda são impostos serviços subalternos pelo simples fato de costumes enraizados desde a época da escravidão.

Nenhum comentário:

Aos poucos a mocinha se prepara, se enfeita, brinca com as gotas de orvalho e se deleita com o elixir dos ventos... A Bela Moça demora, mas...